Saiba porque uma loja online é um bom investimento em tempos de crise!

“Crise” é uma palavra que alerta qualquer empreendedor. No entanto é importante ter presente que, mesmo em tempos incertos, excelentes oportunidades surgem no mercado e que em cenários de instabilidade económica a palavra de ordem é adaptação!

Todos os elementos da sociedade sentem o impacto de uma crise, desde as grandes empresas aos negócios locais, e, de forma a ultrapassar os desafios que vão surgindo no mercado, uma loja online pode ser um ótimo investimento.

Vamos contextualizar: o termo e-commerce surgiu nos anos 70 para definir todo o processo associado à realização de transações comerciais eletrónicas. No entanto, o conceito tal como o conhecemos hoje, começa a surgir em 1994 com a introdução da internet e do World Wide Web, e nos dias que correm as lojas online são já familiares a todos!

Em Portugal este hábito de consumo tem crescido continuamente e prevê-se que não pare. O estudo “Economia e Sociedade Digital em Portugal” da ACEPI (Associação da Economia Digital em Portugal) em parceria com IDC, revela que Portugal tem crescido continuamente, e que em 2019 tinha já alcançado os 87,5 mil milhões de euros, e já ultrapassava os 44% do PIB. Foi também possível apurar que em 2018 quase 50% dos utilizadores de internet já faziam compras online, tendo gasto perto de 5 mil milhões de euros, e que este valor deverá chegar aos 150 mil milhões até 2025!

 

 

Analise quais as barreiras que conseguirá derrubar ao colocar o seu negócio online: vai conseguir alcançar mais clientes? Ou talvez definir melhor a sua estratégia?

Consulte as soluções integradas da Digy e comece já a usufruir de todos os benefícios de ter uma loja online! Fale com a nossa equipa sobre o seu projeto e vamos trabalhar na melhor solução para o seu negócio. Ligue já!

team

Se ainda tem dúvidas quanto aos benefícios de investir numa loja online acompanhe-nos pelo resto do artigo e entenda como este investimento é positivo para o seu negócio!

Maior alcance

Quando expomos os nossos produtos na montra de uma loja física, apenas os clientes que passam pela nossa localidade os poderão ver. Quando expostos numa loja online, a visibilidade dos nossos produtos e consequentemente da nossa marca, é significativamente maior pois no mundo online o seu negócio consegue alcançar clientes em todo o mundo, a qualquer hora!

Vamos simplificar: nas lojas online não existem barreiras entre os seus produtos e o seu público-alvo. Assim, e partindo do pressuposto que deixam de existir limites geográficos para alcançar clientes, mais pessoas passam a ter acesso à sua loja, o que aumenta as possibilidades de realizar vendas.

Manutenção reduzida

Não são apenas as possibilidades de venda e o alcance do consumidor que aumentam com uma loja online. A criação de um e-commerce também apresenta um custo inferior em comparação à abertura de uma loja física, e este pode ser o cenário perfeito para um momento de crise!

Pode não parecer, mas o baixo custo é sim uma realidade do e-commerce: não será necessário fazer obras ou pagar valores mensais de renda, esqueça as contas de luz e água ou a contratação e formação de funcionários…Pelo menos no início, nada disto fará parte dos custos da sua loja. Numa fase inicial terá apenas de investir em alguns aspetos para desenvolver a sua loja online: criar, desenhar e configurar a sua loja e analisar os trâmites operacionais relacionados com as transações e a entrega.

Na Digy encontrará uma equipa especializada que o vai acompanhar desde o início de forma a que compreenda todos os passos que deve seguir e para que obtenha a melhor orientação! O melhor é que pode falar com a nossa equipa e esclarecer todas as suas dúvidas, sem compromisso!

 

Estratégias atualizadas

Ter uma loja online facilita a atualização de estratégias de vendas, que pode, e deve, trabalhar e adaptar de acordo com as mudanças no mercado. A gestão por meio de uma plataforma online permite infinitas e instantâneas atualizações na sua loja.

Quer atualizar preços, criar promoções, campanhas e ações de marketing, oferecer portes de envio, incluir ou excluir produtos, alterar características e fotos, e modificar banners? Passa a ser tudo muito simples!

Este dinamismo contribui para o aumento das vendas, já que permite que rapidamente identifique estratégias menos eficazes e possa assim revê-las e desenvolver constantemente novos planos para que os resultados sejam sempre positivos. E existem até algumas estratégias de marketing que são mais eficazes no comércio online: neste ambiente, a propagação de informação acontece em tempo real, de forma praticamente gratuita e direcionada ao público-alvo; enquanto que no marketing offline, os esforços são por norma direcionados a massas, o que encarece as estratégias e as torna menos assertivas.

 

Acompanhamento

Com pouquíssimos cliques, é possível controlar e acompanhar o desempenho do seu negócio online, e é aqui que entram questões relativas ao número de visitas de potenciais clientes, páginas mais visitadas, tempo de permanência no website, preferências dos consumidores, alcance das publicações, abandono de carrinho, relatórios com dados de clientes, origem dos clientes e tudo mais que for necessário acompanhar. E o melhor é que é tudo em tempo real. A partir da análise destes dados, poderá começar a pensar em ações orientadas, de forma a obter os melhores resultados para o seu negócio!

É importante salientar que todos estes dados e informações ficam armazenadas e organizadas de uma forma extremamente segura.

Diferentes perfis

A mudança de comportamento nos consumidores é também algo muito favorável para quem investe numa loja online. Em suma, o mercado online está a ganhar cada vez mais clientes, e principalmente diferentes tipos de cliente, o que só reforça a importância de actuar no mercado online! Com base num estudo feito em 2019 pela DPD Portugal, sobre o comportamento e tendências do comércio online em Portugal e na Europa, foi possível identificar algumas características de diferentes tipos de clientes:

  •  Em Portugal, os compradores digitais que são regulares geram 81% do volume das compras feitas através da internet no país. Poupar tempo (86%), gastar menos dinheiro (72%) e reduzir o stress de ir às lojas (67%) são as três principais razões apresentadas pelos portugueses para comprarem online.
  • Portugal está acima da média europeia nas compras online com recurso ao smartphone, uma utilização comum entre 72% dos inquiridos no país, face aos 64% no resto da Europa. Mais de 83% consideram que as marcas e empresas têm de ser ambientalmente responsáveis, mas apenas 53% asseguram que compram produtos amigos do ambiente sempre que possível e 49% estão dispostos a pagar mais por produtos ou serviços que respeitem o ambiente.
  • A Moda é a categoria que regista maior procura e 11% dos portugueses subscrevem programas de fidelização de vendedores online. Apenas 6% já devolveram uma encomenda, número abaixo da média europeia (9%).  Três quartos dos consumidores (75%) partilharam nas redes sociais o feedback, positivo ou negativo, das suas compras.
 
Ainda com base no mesmo estudo, outros aspetos muito relevantes foram identificados. Vamos analisar:
 

A importância da entrega

Relativamente às entregas, 76% dos portugueses recebem as suas encomendas em casa, 30% no trabalho e 17% em lojas parceiras.

Mais de 80% dos inquiridos em Portugal consideram que a entrega da sua última compra online foi fácil, o que os motiva a continuar a comprar em lojas online!

Alguns dos aspectos que os consumidores portugueses consideram muito importantes são: conseguirem obter informações em tempo real sobre o percurso da encomenda; conseguirem seleccionar o dia e período de entrega; poder definir detalhes da entrega e a possibilidade de alterar a entrega; notificações avançadas; e conseguirem saber o momento exato da entrega.

“Em Portugal, o e-commerce é visto como uma forma de poupar dinheiro e tempo. A conveniência é essencial e por isso os e-shoppers portugueses procuram locais alternativos para receber encomendas e querem poder saber o estado da sua encomenda em tempo real, ter flexibilidade de alterar a entrega e conhecer o horário em que vão receber a encomenda”, refere Olivier Establet, CEO da DPD Portugal.

A DPD Portugal revelou ainda que ao longo de 2019 foram entregues 83.000 encomendas por dia – um total de 20,7 milhões no ano! Ao todo, a empresa tem 1.400 colaboradores e 600 circuitos de distribuição. As receitas foram de 72,3 milhões de euros, o que corresponde a um crescimento de 2,5%.

Perfis diferentes à procura de vantagens diferentes

O estudo do DPD Group divide os consumidores portugueses em três perfis. Os aficionados, os epicuristas e os eco-seletivos.

O primeiro perfil, os aficionados, representa 12% dos consumidores e são maioritariamente mulheres com idade médias de 41 anos, e correspondem a 55% em Portugal, face aos 65% da média europeia. Este perfil adquiriu em Fevereiro deste ano 6,7 encomendas em Portugal, sobretudo pela conveniência, destacando-se a Moda (76%), o Calçado (70%) e Beleza/saúde (58%).

“Para os e-shoppers aficionados, as compras online são um modo de vida. São eles a base do comércio eletrónico e estão sempre conectados. Desejam uma experiência de compra simples e escolhem websites em que confiam. Aliás, a confiança é a palavra de ordem, especialmente no que se refere à recomendação nas redes sociais, o principal motor de compra”, sublinha Américo Mendes, Managing Director for Business da DPD Portugal.

Olhando para o futuro, considera-se que é possível que este grupo cresça automaticamente à medida que os consumidores adquirem experiência e confiança nas compras através da internet. O cenário mais provável é que alguns consumidores regulares adotem a experiência de comprar online como um modo de vida, tornando-se parte integrante da sua rotina diária.

O estilo de vida conectado e o poder de influência deste grupo significam que provavelmente permanecerá um passo à frente dos restantes tipos de consumidores e continuará a definir o ritmo das tendências digitais, inspirando serviços de entrega flexíveis que podem responder à sua grande frequência e volume de compras.

woman

 

O segundo perfil, os epicuristas, representa 13% com consumidores a receberem uma média mensal de 3,1 encomendas. O número de mulheres aumenta para 65%, com uma média de idades de 40 anos, que não se preocupam em pagar mais desde que considerem que a experiência torne a sua vida mais fácil.

“Para os compradores epicuristas, conveniência é o resultado final. Motivados pelo prazer de compra, este grupo procura produtos que tornem a vida mais fácil e lhe permita desfrutar. Consideram importante conhecer quem faz a entrega pois preferem umas operadoras em relação a outras e querem ser tranquilizados”, aponta Carla Pereira, Marketing & Communication Director da DPD Portugal.

O crescimento do número de compradores epicuristas depende da sua própria experiência, da experiência de pessoas próximas ou do que leem nas redes sociais, e comprar online é sem dúvida uma atividade que os membros deste grupo apreciam e pretendem fazer mais! De facto, os epicuristas consideram as compras online tão eficazes para poupar tempo e dinheiro que compram mais variedade de produtos online do que a média dos consumidores e sentem que podem comprar online quase todos os produtos e serviços de que precisam.

Com 73% a considerar positiva a sua mais recente experiência online, o perfil epicurista é muito promissor, desde que a sua experiência de compra permaneça agradável e tenham um serviço de entregas e devoluções que não os decepcione!

O terceiro perfil, os eco-selectivos são aqueles que compram produtos que respeitem o ambiente, mas também são aqueles que procuram os melhores negócios. A China, Espanha e Reino Unido são os locais onde mais compram online.

“Os consumidores eco-selectivos são resultado de uma onda de mudança que está a ocorrer na sociedade, à medida que o ambiente se torna uma preocupação crescente para todas as gerações. Estes consumidores estão a tornar-se mais conscientes do impacto que as suas acções têm no ecossistema e prestam mais atenção às suas escolhas”, refere Dominique Mamcarz, CSR Director da DPD Portugal. “O surgimento deste perfil de comprador anuncia a chegada generalizada de hábitos de compra ecologicamente conscientes, o que é mais uma evidência de que a indústria tem tudo a ganhar ao se tornar um lugar mais verde”.

Vida online para além das compras

Comprar online é apenas uma das diversas atividades online das quais os consumidores atuais desfrutam. No geral estes consumidores são utilizadores frequentes de dispositivos móveis, e de redes sociais como o Facebook, o Instagram e o YouTube, e os “aficionados”, em particular, são exímios em utilizar as redes sociais para seguir as suas marcas preferidas. As plataformas de redes sociais são ainda os principais meios pelos quais os consumidores regulares obtêm informações antes da compra, e a maioria escolhe sites com base em análises e recomendações.

Crescimento constante

Mesmo em cenários de instabilidade económica, o e-commerce não para de crescer. Muitos consumidores desapareceram das lojas físicas, mas acabam por surgir nas lojas online e onde acabam por regressar pois rapidamente passam a ver o mundo das lojas online como uma excelente forma de pesquisar e comparar preços, seleccionar formas de pagamento, escolher entre cores e tamanhos com calma, e optar assim por aquela que considera ser a melhor compra, tudo com a comodidade de não precisar de sair de casa!

 
Pensa em criar uma loja online?
Dê o primeiro passo e obtenha já uma proposta da Digy. Até já!
0 Points